10/10/2015

Isto é o que vale Alexandre Quintanilha

Que José Rodrigues dos Santos me desculpe, mas comparado com este Senhor, não passa de uma "cigarrazinha cantante". Uma entrevista longa, mas que vale a pena ler até ao fim, como um romance.

 Alexandre Quintanilha: "A minha droga mais potente é o vinho do Porto" 

Alexandre Quintanilha: "A minha droga mais potente é o vinho do Porto"
 por João Céu e Silva, 09 agosto 2015
Fotografia © Orlando Almeida / Global Imagens
As últimas notícias sobre o físico e biólogo tinham sido sobre a sua última aula, que iria ser dada a 3 de julho. Pediu-se-lhe uma entrevista, pois não era uma data qualquer nem se podia deixar o professor fora de uma série de entrevistas como estas.

Combinada a conversa, eis quando as últimas, mesmo as últimas notícias, davam o docente universitário como cabeça de lista do Partido Socialista no Porto... Surpresa total, mesmo que já tivesse tido atividade política anterior. Estava alterado o rumo da conversa, pois não seria apenas sobre moléculas, planetas, experiências científicas, mas também sobre a responsabilidade da vida pública.
Alexandre Quintanilha tem uma qualidade enquanto entrevistado, a de falar serenamente e explicar-se de forma clara sem precisar de gastar muitas palavras. Mesmo que aprecie alongar-se nos vários temas sobre a mesa por verdadeiro prazer em desenvolver as ideias. Como já tinha avisado que tinha um comboio para apanhar e não queria falhar a viagem de regresso ao Porto, cada vez que se distraía no fluxo das palavras havia uma justificação para o interromper. Afinal, terminada a entrevista, ainda se estava a arrumar o equipamento fotográfico, já o táxi estacionava para recolher o passageiro.
Alexandre Tiedtke Quintanilha nasceu em Lourenço Marques (atual Maputo) num agosto de há 70 anos. Licenciou-se em Física Teórica em 1968 na Universidade de Witwatersrand (Joanesburgo) e doutorou-se em Física do Estado Sólido em 1972 na mesma universidade. Exerceu a docência na Universidade da Califórnia, Berkeley, onde foi diretor do Centro de Estudos Ambientais. Teve vários cargos até regressar ao Porto, onde dirigiu o Centro de Citologia Experimental, e foi professor no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar. É casado com o escritor Richard Zimler.

Nos tempos em que a clonagem era um tema quente, anos 2000, afirmou que não queria ser clonado. Já mudou de ideias entretanto?
Não. Não mudei de ideias... [pausa] Vamos lá ver [outra pausa]... Não é o desejo de não querer ser clonado porque se o for sem saber não me preocupo. Imagine-se que ficam com células minhas que possam dar origem a um novo ser, isso não me deixaria melindrado.

Mas conscientemente não?
Não tenho interesse nenhum em vir a ser clonado porque a ideia que está por trás do clonado é a de uma vida eterna - clona-se um, depois clona-se outro. O problema é que ninguém sabe se isso é verdade porque há muitas dúvidas ainda sobre o clone. Portanto, não tenho minimamente esse desejo. Até nem tenho vontade de viver mais do que 80 ou 90 anos. Não me interessa.

Confesso que pensei na pergunta quando desconhecia que se ia clonar uma personagem política...
Ah! [risos]

O Quintanilha que vai para a política também não é um clone?
Não, sou eu. E para mim é uma situação nova. Tive uma pequenina experiência enquanto vereador na Câmara do Porto, que não foi uma experiência entusiasmante.

Renunciou rapidamente, não foi?
Logo a seguir porque vi que não estava a fazer grande coisa na câmara. Havia uma maioria absoluta que tomava as decisões todas e nós podíamos pronunciar-nos mas sem impacto no processo. Nem tinha nada para desenvolver que fosse da minha responsabilidade, o que até achei estranho pois podiam ter-me pedido que ficasse à frente de uma área do conhecimento. Não pediram... Acho que os jogos políticos são assim - e saí.

E desta vez aceitou por que razão?
Acho que fui convencido com muitas coisas que se juntaram. Acabei de dar a minha última aula de jubilação e sentia-me muito livre para poder fazer tudo aquilo que gostaria. Só que no dia a seguir o António Costa veio ao Porto, falou comigo e disse-me que tinha percebido que eu estava com uma enorme disponibilidade, desafiando-me para encabeçar a lista do partido no Porto. Reagi da forma normal: "Não tenho experiência política nem sei se era isso de que estava à espera para fazer. Portanto, vou ter de pensar."

Foi realmente inesperado, porque até referiu que poderia ir fazer um curso de Arquitetura...
Era uma possibilidade, mais do que um curso era assistir a algumas aulas e aprender qualquer coisa.

Mas António Costa convenceu-o?
Convenceu-me por uma coisa muito simples. Ele disse que o povo tem uma confiança cada vez menor nos políticos e uma pessoa que não tem o rótulo político, com trabalho feito e que demonstrou estar preocupada com questões sociais e humanas, podia ser uma forma de rejuvenescer. Achei a explicação muito inteligente e concordo.

Não é uma missão complexa?
É muito complexa e até acho que o ano a seguir às eleições vai ser muito complicado.

Começa por ficar sem férias...
Em parte. Só vou começar a fazer alguma coisa a sério em setembro. Neste mês não sei se vai acontecer muita coisa, depois já percebi que vai ser muito envolvente.

Tem criticado muito a situação!
Tenho sido bastante vocal nos últimos tempos em relação ao meu descontentamento com a falta de liderança que existe na área do conhecimento. Fui dos primeiros a contestar muitas das decisões e a alertar para os perigos à nossa frente, daí que numa altura em que me é dada uma oportunidade de poder fazer a mesma coisa num sítio onde o impacto pode ser maior passa a ser uma obrigação. Não se pode andar apenas a criticar.

Irá para um hemiciclo que o povo considera muito fraco. Concorda?
Temos de começar em algum sítio, e talvez a introdução de algumas pessoas possa ajudar. Também ninguém sabe se haverá maioria absoluta ou como é que as forças políticas se vão entender. Sou uma pessoa que acha que não é só em Portugal que há problemas sérios de confiança em relação à política e aos desenvolvimentos políticos que estão a acontecer. As pessoas estão a desinteressar-se cada vez mais, por isso é necessário mudar.

E considera-se um dos que podem ajudar a alterar a descrença?
Não sei se vou ser capaz, porque sou virgem nesta área. A política é uma coisa complexa e tem uma história que não conheço. Também sei que nas universidades existe muita política interna e muita gente a pregar rasteiras ou a dizer aquilo que não pensa.

No entanto, a tragédia portuguesa não está próxima da grega?
Não. Um continente que se descreve como herdeiro de conceções cristãs e está a humilhar a Grécia desta forma escandalosa é coisa que não consigo perceber. Eles fizeram muitos erros, podem não ser de confiança... É estranho que as nações humilhadas sejam aquelas que humilham ainda mais as outras em vez de aprenderem com o desastre. Parece mais um revanchismo.

É o que se passa com a Alemanha?
Tenho a sensação de que a Alemanha, que passou por momentos muito difíceis como o da reunificação, deveria ter mais sensibilidade para o que é humilhar e espezinhar.

Falando de humilhação. A sua opinião é a de que os portugueses também o foram nos últimos quatro anos de forma muito violenta?
Foram. Foram.

Mesmo assim não teme a reeleição desta coligação?
Não sei. Tenho muito pouco jeito para profeta.

Ponderou a hipótese da coligação?
Não pensei muito nisso. Aquilo sobre o que tenho pensado muito é que há momentos na nossa vida em que somos sujeitos a uma enorme austeridade. Quando fui para os Estados Unidos não tinha salário nos primeiros seis meses, vivia dos três mil dólares que levara. E passei por momentos muito complicados. Por isso, a austeridade pode incomodar menos a maior parte das pessoas se for para todos e não como o que está a acontecer no mundo, e mais recentemente em Portugal, em que 0,1% da população está a ficar cada vez mais rica enquanto 99,9% das pessoas estão sob austeridade.

Há pouco disse era um virgem nestas coisas da política...
Sou um pouco.

Vai tentar perder a virgindade política antes das eleições?
Há uma área em que ainda sou virgem, a das drogas. Nunca fumei nada nem tomei nada. A minha droga mais potente é o vinho do Porto. Quanto à política, eu vou aperceber-me do que me espera e as pessoas também não me veem a obedecer às ordens do Partido Socialista - como já se escreveu, aliás.

Até onde conseguirá ir?
Existem determinadas questões em relação às quais tenho princípios éticos que não me permitem ultrapassar a barreira. Sinto que vai haver da parte de todos uma necessidade de discutir os assuntos até ao ponto em relação ao qual eu não conseguirei abdicar. E não abdicarei, é muito simples.

Os partidos não gostam disso.
Se o partido achar que isso não é aceitável, vou-me embora. Sei que há muitas áreas na política, como em todas as coisas, em que tem de haver compromissos. Não sou aquele que tem a verdade toda na cabeça. Tenho imenso medo das pessoas que acham que sabem tudo, aliás tenho muito mais dúvidas do que certezas. Portanto, mesmo na política, vai ser a mesma coisa. Vou ter de balançar as variáveis e as incógnitas porque isto é o que faz um cientista.

Politicamente não irá viver acima das suas possibilidades!
Creio que não. Acho que não só não sei viver acima das possibilidades como pretendo adotar uma atitude inicial de precaução. Vou tentar perceber o que é que se está a passar e aprender muito.

Então, sempre vai fazer um curso de Arquitetura, só que de arquitetura política?
Sim, é isso mesmo.

Sexualmente tem um posicionamento muito conhecido. Acha que os eleitores do Porto vão aceitar isso no seu cabeça de lista?
Como já disse, tenho muita dificuldade em ser profeta. Creio que pela forma como vivi estes vinte e tal anos em que estou no Porto transmiti uma noção do que sou. Acho que deixei as pessoas conhecerem quem sou. Não há nada que esteja escondido, não tenho esqueletos no armário, e digo sempre aquilo que penso. E há uma outra coisa muito importante: não devo nada a ninguém nem quero trepar pelo sistema político. São duas condições que devem apaziguar os que estão à minha volta. Não é isto que vai finalmente dar ao Alexandre Quintanilha aquilo que ele queria. Não andei à procura disto, aceitei porque é um dever cívico.

Logo após as eleições legislativas vêm as presidenciais. Já formou opinião sobre o candidato?
Não, não formei.

Não tem um candidato, nem o professor Sampaio da Nóvoa?
Eu ouvi um discurso do Sampaio da Nóvoa no Porto e gostei do que ouvi. Mas não tenho opinião formada, até porque não sei quem são os outros candidatos.

Percebeu o discurso dele?
O Sampaio da Nóvoa é uma pessoa da universidade e percebo melhor a sua linguagem. Ou seja, também aí preciso de uma aprendizagem política para compreender o que está nas entrelinhas.

No caso do desinvestimento na ciência não pode alegar desconhecimento. O que vai fazer?
Penso que na área do conhecimento em geral, não é só na ciência, havia quando cheguei a Portugal uma fase de enorme esperança e entusiasmo, principalmente devido à atuação do José Mariano [Gago]. Mas não só, houve outras pessoas que o ajudaram, e o que estava a acontecer tinha uma trajetória em que se transmitia aos portugueses que o conhecimento não só não era um luxo como estava na base da cidadania. Para sabermos quem é que queremos ser e em que sociedade queremos viver precisamos de conhecimento, não é só em engenharia, saúde, física ou química... Não. Provavelmente temos um número muito pequeno de livros, filmes e experiências que nos mudaram a forma de olhar para o mundo e para nós próprios. Aquilo que o Zé Mariano fez foi encorajar todas as áreas do conhecimento para que crescessem e teve outra decisão mais importante, que era a Ciência Viva, uma aposta para o futuro em miúdos de 4, 10 ou 15 anos, que começaram a chegar às universidades com essas experiências.

Com a diminuição do orçamento não é esforço deitado para o lixo?
A questão que se põe é a seguinte: numa área em que Portugal estava a ter sucesso e em que o investimento público para a ciência continuava a ser relativamente reduzido - nunca chegou a 1% -, tal como o investimento privado nunca ultrapassou 1%; que estava a funcionar muito bem e era reconhecido e invejado por muitos países, porquê fazer alterações drásticas?

Não se deveria ter interrompido esse investimento?
Percebo que os governos têm o direito de reorientar o investimento mas porquê numa das poucas áreas em que Portugal estava a ter um sucesso indiscutível? Creio que houve muito aquela discussão de que estávamos a fazer bastante ciência aplicada e pouca ciência fundamental. Isso é um mito, porque estas duas ciências não são diferentes. Se se estiver a fazer ciência aplicada muito boa, imediatamente precisaremos de ciência fundamental para dar as bases e vice-versa.

É uma questão de mentalidade?
É preciso não esquecer que estamos num país que teve 300 anos de Inquisição e 48 de ditadura. Que teve instabilidade política entre esses dois tempos. Fica difícil querer em 20 anos mudar a cultura portuguesa, tornar as pessoas curiosas e imaginativas quando durante esses séculos tudo o que era imaginativo e curiosidade foi coartado. Não se faz uma mudança destas numa geração. Não se faz! Podemos gostar de que os nossos filhos em vez de estudarem a espirogira estejam a fazer relógios no quintal. Isto leva tempo porque é uma alteração cultural, além de que deve ser implantada com insistência em vez de se impor. Dizer quais são as áreas em que se deve ser bom é um disparate total. Até porque não sei se nós somos bons em alguma coisa.

Não existe uma ilusão exagerada sobre o potencial nacional ao nível de cientistas?
Não. Poderá existir no sentido de que estamos convencidos de que o processo que estava a ser desenvolvido ia criar instituições robustas - porque nós temos muito poucas ainda -, ou uma atitude em relação ao conhecimento que seria de não só manter algumas pessoas nessas áreas mas atrair gente de fora.

Mesmo quando se vê tantos portugueses a partir?
Não vejo problema em que as pessoas se vão embora. Eu fui-me embora durante 30 anos da minha vida.

Não há fuga de cérebros, nem o conselho do primeiro-ministro teve qualquer efeito?
Não tenho medo algum da fuga de cérebros. Acho muito bem que vão para outros sítios - só lhes faz bem -, ver outras situações em vez de só comerem o caldinho de galinha de manhã e o bacalhau não sei de quê ao almoço. Devem perceber que há outras formas de estar no mundo e de viver. Isso é ótimo. O que lamento é que deixámos de transmitir a ideia de que existem estruturas robustas que podem atrair outras pessoas. Não nos iludamos se vier meia dúzia de pessoas para cá, porque aquela ideia de poder chegar gente muito capaz, que substitua os cérebros que estamos a perder, não existe.

É rara a semana em que não ouvimos uma notícia sobre um prémio ou um financiamento extraordinário concedidos a cientistas portugueses. O que se passa?
Exato. Não só temos pessoas muito boas como também apareceram instituições. E acho muito bem que sejam avaliadas. Mas muitas dessas instituições estão agora a sentir uma fragilidade enorme porque, primeiro, têm dificuldade em atrair pessoas de fora. Segundo, com isto não se quer dizer que não tenhamos gente também muito boa no país. O problema é que a ciência hoje em dia é universal e necessita de pessoas com ideias e imaginação diferentes, que venham misturar-se connosco. E não é só na ciência, é em tudo.

Como é que fica o orçamento?
Considero que para fazer o necessário não é preciso triplicar ou quadruplicar o investimento na ciência. A política em curso é uma política em que as pessoas decidem quais são as áreas em que querem apostar e eu acho que isso é adolescente. Por outro lado, também acho que esta noção de excelência tem o risco de acabarmos por ter na sociedade do conhecimento a mesma coisa que está a acontecer na sociedade em geral: temos 0,1% que tem tudo e 99,9% que tem cada vez menos para produzir. Essa é a receita para o desastre! E não estou a pensar que se tem de quadruplicar o financiamento, até porque não se reduziu assim tanto o financiamento para a ciência.

Como assim?
Nos primeiros três anos disseram que não tinham reduzido nada, que até aumentaram. Não era bem verdade, mesmo que agora no fim haja alguma diminuição. O que quer dizer que se voltássemos à curva em que estávamos, a par do continuar do investimento privado, poderíamos continuar numa trajetória menos acelerada que confirmava, para o mundo em geral, para os nossos jovens e para os de lá de fora, que Portugal continuava a apostar na ideia de que o conhecimento é essencial.

Nestes últimos meses, o ministro da Educação não tem tentado passar a ideia de que essa busca pelo conhecimento se mantém?
É óbvio que quando se aproximam as eleições há toda uma série de rebuçados que nos são oferecidos. Todos os partidos fazem isso. Quer dizer, quando tem de haver austeridade carregam muito nos primeiros dois ou três anos, às vezes até de mais, para no fim darem uns rebuçaditos. Porque a memória das pessoas é muito curta.

Acredita que continuamos a ter uma memória curta?
Os portugueses já se esqueceram... Dou um exemplo: o meu salário foi cortado em 30%. Eu nem me importaria que tivesse sido cortado em 30%, agora gostaria que esses 30% que foram cortados não acabassem no 0,1% que está rico. Gostava que fossem mais bem utilizados no processo.

Deu há pouco mais de um mês a sua última aula. Já sente saudades de preparar e dar aulas?
Eu não sou muito de saudades, nem nunca tive muitas saudades. Quer dizer, tenho saudades de pessoas mas não de sítios, porque acho que os lugares são para ser descobertos.

Pode dar um exemplo?
Não gosto, por exemplo, particularmente de Lisboa. Odeio o calor de lá e nem quero pensar que tenho de estar em Lisboa dias seguidos e que vou estar fechado em sítios onde haja ar condicionado. Talvez seja porque também não conheço bem a cidade, afinal todos os meus amigos estrangeiros acham Lisboa um sítio fabuloso. Eu gosto imenso de Nova Iorque, de São Francisco, de cidades, mas acho que todos os sítios têm encantos para serem descobertos. É como as pessoas.

Nem tem saudades de Moçambique?
Não. Não tenho saudades. Se me dissessem: "Agora vai viver para Maputo." Não tenho qualquer intenção de o fazer porque penso que voltar ao passado é coisa que não existe. É como as pessoas agora estarem a dizer - é muito usado em política - que se voltar o PS é voltar ao passado. E é impossível voltar ao passado, porque já passou muito tempo e há muitas coisas a acontecer.

Nem saudades dos últimos anos na universidade?
Aprendi muito e crescei bastante durante estes anos que estive em Portugal a ensinar. Tive experiências fabulosas. Por isso, a última mensagem que recebi dos meus alunos comoveu-me imenso. Eles deixaram ficar um bilhete em que diziam: "Obrigado professor por nos ensinar a distinguir o verdadeiro do óbvio." E não consigo pensar em frase mais profunda do que esta, porque o que queremos na nossa vida é saber distinguir o verdadeiro do óbvio. E que esta mensagem venha de miúdos de 18 anos ainda é mais extraordinário. Isto não é uma geração rasca! É uma geração extraordinariamente madura para a idade. Às vezes até tenho pena porque são maduros de mais.

Nega que a atual geração de estudantes seja uma geração rasca?
Nada! Quer dizer, há bons e maus como em todo o lado. Antigamente achava-se que quando os alunos vinham conversar com o professor era para dar graxa. Eu nunca senti isso, porque também gosto de manter uma certa distância. O facto de chegar ao fim e ter estas palavras escritas num bilhete até me fez chegar as lágrimas aos olhos e disse para mim o seguinte: "Como professor, não consigo pensar numa recompensa mais importante do que isto."

Participou numa conferência sobre os 40 anos do 25 de Abril e escolheu como tema a "Potenciação Cognitiva: Desafios Futuros". Não é uma abordagem estranha?
Ainda bem que se estranha. O que é a potenciação cognitiva? O melhor exemplo é o da educação. As pessoas passam 20 anos a estudar porque se acha que melhora a forma de pensar, mas agora existem novas tecnologias que podem ser usadas e que estão a ser testadas como terapia, por exemplo, no mal de Parkinson. Imagine-se que um dia é possível colocar um chip no cérebro e que através dele se tem a possibilidade de transmitir pensamentos sem usar telemóvel ou computador. Isto é melhoramento.

Essa intrusão no cérebro não é perigosa?
Perigosíssima, mas já estão a estudar isso. Tive um aluno no Porto, que esteve a trabalhar nos Estados Unidos, onde fizeram experiências com chips em ratos. E eles conseguem que a aprendizagem de um ratinho seja comunicada a outro através do chip. Tal como juntar vários ratos para resolverem problemas em conjunto através da comunicação de chips. Isto ainda é um mundo de ciência e ficção mas quando apareceu a anestesia também era considerada uma coisa muito perigosa.

Não representa um controlo cada vez mais total das pessoas?
Hoje em dia há muitas empresas que antes de contratarem os funcionários querem ver a imagem de ressonância magnética do cérebro. E há quem diga que o copiloto alemão da German Wings não teria despenhado o avião nos Alpes franceses se tivesse havido uma ressonância magnética. Não lhe teriam dado esse emprego. Todo o conhecimento tem possíveis vantagens ou desvantagens, depende da maneira como se usa.

O seu interesse pelo universo é conhecido. Como viu a recente passagem da primeira sonda humana por Plutão?
Acho fascinante que nos consigamos aproximar e tirar imagens. Lembro-me de o meu pai ir passear comigo para a praia, mostrar-me as constelações e dizer os seus nomes.

Uma vez fizeram-lhe uma pergunta e não respondeu. Tinha que ver com a coincidência de ter nascido no dia em que os americanos deitaram a bomba atómica sobre Nagasaki e se isso o marcara. Volto a fazer a pergunta.
Às vezes digo a brincar: "Eu nasci no dia em que explodiu a bomba atómica e, enquanto há príncipes e reis que nascem com tiros de canhão, eu nasci com a bomba atómica. Se isso teve alguma influência em mim? Duvido, foi mais o fim da Segunda Guerra Mundial que teve mais que ver com a minha juventude, porque alterou a forma de as pessoas estarem e influenciou a forma de os meus pais olharem para o mundo e para mim, a forma de pensarem que eu tinha o mundo aberto à minha frente e que não teria de andar a fugir como eles.

"Eu e o Richard decidimos: se a política começar a afetar a nossa relação, paro logo"
Se não houvesse esta "oportunidade política" não tencionava ir viver para outro país?
Não sei. Eu e o Richard [Zimler] falámos muitas vezes sobre isso. A intenção era viajar por uns meses. Nós gostamos imenso do deserto americano, das Montanhas Rochosas, e iríamos de certeza passar uma parte do ano lá. Alugávamos uma casinha muito baratinha no meio de nenhures e ficávamos lá uns meses. Também gostava de conhecer mais a Europa - não gostava de ir para muito longe. O Oriente não me interessa muito. Não tenho grande curiosidade pela China.

Ele não ficou aborrecido com esta decisão?
Ficámos ambos apreensivos. Porque esta nova situação é uma coisa que envolvia duas pessoas que têm 37 anos de vida em conjunto e que não permitem o que quer que seja que altere as suas vidas. A nossa decisão foi a de que se isto começar a afetar a nossa relação ou a minha saúde eu pararei instantaneamente. Aí não há qualquer discussão.

Isso é uma forma de estar que vem de família?
Nasci muito tarde. Os meus pais estiveram casados 15 anos antes de eu nascer porque estavam na guerra e a única coisa que desejaram para mim foi que fosse feliz.

Esse era um melhor posicionamento para com os filhos?
Toda a vida deles acharam que a única coisa que era importante era eu sentir-me realizado naquilo que estava a fazer. Isso era assim porque eram pais mais velhos e que já tinham vivido os desafios todos anteriormente. Houve uma sabedoria profunda que aprecio imenso, daí que não vá permitir o que quer que seja que interfira na minha vida de um modo indesejado. Não é uma forma de egoísmo, pois estou muito interessado nos problemas sociais e nas minhas preocupações em muitas áreas sociais fraturantes em Portugal. Mas essa necessidade de também comparticipar deve-se a sentir que recebi dos meus pais, da sociedade e dos meus amigos muitas coisas valiosas. Isto pode parece um bocadinho chacha mas não é.

Ainda sente curiosidade em estudar?
Tenho imensos livros que gostaria de ler. Principalmente na área do risco e perceber como é que entendemos o risco, como é que se o comunica e usa para tomar decisões. É uma área fascinante.

Tem que ver com as suas áreas de estudo?
Está entre as ciências sociais e as ciências humanas. Vejamos: para tomarmos uma decisão arriscada precisamos de três componentes: saber tudo sobre aquele assunto - e fica-se logo a perceber de imediato que há muita coisa que não sabe ou não se sabe; a segunda é perceber ou estar convencido de que se está a viver num mundo ou muito frágil ou muito robusto porque aí arrisca-se em função da própria capacidade; a terceira é a confiança. A confiança nas instituições que lhe dão a informação. Tem ou não confiança? E cada vez há menos confiança, como é o caso da discussão em torno das alterações climáticas.

É um descrente nestas ameaças ambientais?
Será que devemos acreditar no que andam a dizer sobre as alterações climáticas? Como é que se constroem os cenários na nossa cabeça para escolhermos a vida que queremos ter e a sociedade em que queremos viver. Essa equação fascina-me e acho que a Assembleia da República pode ser um laboratório interessantíssimo para estudar este assunto.

1 comentário:

Peres Feio disse...

O menino como eu que conheci em Lourenço Marques (nossos pais entre outras coisas investigavam em comum o ALGODÃO e a sua cultura) era uma Alexandre mimado talvez por seus pais terem mais idade que o habitual na época - o pai, o Prof. Quintanilha I, creio que apareceu em Moçambique perseguido pelo Estado Novo que não o queria em Portugal - seria assim? Era uma referencia na investigação cientifica agrícola em Moçambique. O menino Alexandre transformou-se neste cientista de nomeada que bom contributo pode dar na politica -