05/03/2017

Sapo envia mensagens com palavrões

Com que direito é que os serviços  SAPO enviam mensagens com palavrões para o meu telemóvel?

Recebi esta manhã uma mensagem em que me transcreviam uma frase de um dirigente de um clube de futebol, que, depois de vencer as eleições, expressava a sua satisfação com palavrões e insultos. Ora eu,  que não me interesso por futebol e ainda gosto menos de palavrões, que não cultivo relações com gente grosseira, sinto-me profundamente indignada com o envio destas mensagens, que considero um abuso e uma ofensa da parte de quem as manda. Uma empresa de comunicação não deve ter  critérios de valor e de civismo?

E os ditos serviços impedem que lhe demos resposta, exigindo outro critério de escolha, apenas posso bloquear a mensagem... que já recebi, o que não me impedirá de receber outras do mesmo jaez.

Como é que se pode impedir que a SAPO ou outras empresas enviem este lixo? Prefiro não receber notícias de todo.

Parece que a civilidade e a educação deixaram de ser valores em Portugal, em particular, em serviços de comunicação que se deviam pautar pela qualidade e bom gosto.

 Deana Barroqueiro

25/02/2017

A afronta de nos tomarem por parvos

Em O Público, 25 de Fevereiro de 2017
A mentira, seja sob forma directa ou rebuscada, em matérias públicas é inaceitável. Sobre isso não vale a pena dizer mais nada. Os governantes não tem obrigação de dizer a verdade — sim, há razões de Estado que podem implicar a mentira — mas nenhuma cobre os casos recentes. Mentir pode ser legítimo, por exemplo, para esconder, até ao momento do seu anúncio, uma desvalorização da moeda, ou quando está em curso uma qualquer operação com riscos para as pessoas ou para o Estado, sensível à revelação irresponsável da verdade. São excepções, mesmo muito excepcionais, e precisam de ser muito explicadas a posteriori, quando finalmente se pode saber a verdade sem custos. Há matérias delicadas cobertas pelo segredo do Estado que justificam que um governante, quando interrogado directamente, tenha que mentir. Não deixa de ser mentira no momento em que é proferida, mas trata-se de uma mentira instrumental, destinada a proteger um bem maior. É um estatuto que pode ser alvo de abuso, e é-o muitas vezes, mas os limites éticos do dilema verdade/mentira não se aplicam neste tipo de “sombras”.
Mas não é, de todo, o caso da história dos SMS, nem do misterioso caso das estatísticas dos offshores, que nada justifica serem cobertos por qualquer “manto diáfano” de mentiras, meias-mentiras, sugestão de mentiras e omissões da verdade. A cabeça de um ministro ou a honra de há muito perdida de um ex-governo estão em causa? Não mentissem, nem nos enganassem. Mas, dito isto, também é preciso ter muito cuidado, para que a mediatização medíocre das redes sociais e de alguma imprensa não confunda questões sérias com outras de menor gravidade. E o caso Centeno e os milhões dos offshores não são comparáveis em importância, sendo que toda a gente já percebeu o que se passou no primeiro caso, e ainda muito pouco se percebeu do segundo.
O que sabemos sobre o dinheiro saído para os offshores durante a governação PSD-CDS? Sabemos que foi muito, muitos milhares de milhões de euros, de que os dez mil milhões de que se fala agora são apenas uma parte. Sabemos que uma parte saiu legalmente e também sabemos, por vários processos em curso, que outra parte saiu ilegalmente. Vamos deixar para já a parte ilegal, de dinheiro de pagamento de subornos, de corrupção, de negócios à margem da lei, e vamos apenas falar do que saiu legalmente, e nessa parte podemos apenas ficar-nos por esta magra fatia de dez milhares de milhões que não foram devidamente incluídos nas estatísticas e sobre os quais não sabemos ainda até que ponto os procedimentos de verificação habituais pelo fisco se realizaram, ou seja, se são resultado de actividades legais sem mácula fiscal. Por que é que isso aconteceu e o que é que isso significa?
Vamos seguir a mais benévola das hipóteses, de que tudo estava legal, e que apenas não se fez o registo estatístico. Comecemos por um ponto prévio que é verdade para todas as histórias que envolvem offshores. Já ouvi dezenas de explicações esforçadas para justificar por que razão as pessoas e as empresas colocam o dinheiro nos offshores, desde a fuga ao conhecimento do património nos divórcios milionários até à protecção de património face a credores, aos pagamentos a jogadores de futebol, passando pelas necessidades de pagamentos no comércio internacional. Tudo é coberto por dois mantos: um é de que se trata de processos legais, por isso incontestáveis pela crítica; o outro é que, havendo paraísos fiscais em qualquer outra parte exótica do mundo, não é possível acabar com eles em qualquer outro sítio. Mas isso não implica que se considere normal o uso de offshores e, numa sociedade em que os governantes se indignam com os direitos “adquiridos” dos mais fracos, tenham uma soberana indiferença face a práticas dos mais ricos que roçam a ilegalidade e que prejudicam, e não pouco, a riqueza do país. E quando isto se passa em tempos em que os governantes fazem um discurso de austeridade contra os que não podem fugir aos impostos e aos cortes, e são indiferentes às práticas dos mais ricos de tirar dinheiro, riqueza, do seu país, revolta. Este é o pano de fundo em que podemos discutir esta questão, e aplica-se como uma luva ao Governo PSD-CDS, onde o ataque aos mais fracos foi a regra, e a complacência com os mais poderosos foi também a regra.
No fundo, no fundo, o núcleo duro de ideias sobre a sociedade e a economia do Governo Passos-Portas foi que a recuperação do país passava pelo aumento da riqueza dos mais ricos, que traria por arrasto uma melhoria das condições de vida dos mais pobres. Era em cima que deveria haver “liberdade”, enquanto em baixo deveria haver “ajustamento” e cortes, até porque os de baixo já estavam mais acima do que deviam e tinham que ser postos na ordem e devolvidos “às suas posses habituais”. Da legislação laboral ao “ajustamento”, este era o programa. Dêem as voltas que derem, esta era a concepção e ainda o é, como se vê na questão do salário mínimo. Qualquer ideia, aliás na base do ideário social-democrata, de que o Estado deveria garantir um equilíbrio social, era e é tida como uma violação das regras da “economia”, com os de baixo a quererem mais do que a “economia” lhes pode dar. Em cima, não há essas restrições e, por isso, a indiferença face ao que acontece com os offshores é completamente natural.
Este é, insisto, o pano de fundo da interpretação mais benévola da falta de dados sobre os offshores: que saíssem dezenas de milhares de euros do país, não interessava aos governantes porque não estava no centro das suas preocupações, como estava cortar reformas e salários e levar o fisco até aos cabeleireiros e aos biscates. Tratava-se de uma prática normal da “economia”. Mas se esta é a interpretação mais benévola, não é a mais sensata, como se vê pelas explicações atabalhoadas que governantes do tempo do PSD-CDS têm vindo a dar sobre o que aconteceu. E aqui é que, como no caso de Centeno, entendo que é uma afronta para os portugueses tomá-los por parvos, só que neste caso num assunto muito mais grave.

09/02/2017

Diálogos Interculturais Portugal-Chin: Congresso Internacional

Fui convidada, pela Universidade de Aveiro,  para participar no  Congresso Internacional / Diálogos Interculturais Portugal-China, que terá lugar nos dias 15, 16 e 17 de Fevereiro 

A minha palestra será no dia
16 de Fevereiro 15h00 – 16h30
MESA 9 (sala 40.3.17)
Moderador: António Manuel Ferreira
DEANA BARROQUEIRO (escritora e investigadora): Peregrinações de Fernão Mendes Pinto e outros portugueses na China, o mítico Reino da Perfeição 
MARIA HELENA DO CARMO (escritora e docente de História na Academia Cultural Sénior de Lagoa, Algarve): O Romance Histórico na Relação Luso-chinesa
PAULO JOSÉ MIRANDA (escritor): O problema da identidade humana em Macau ou a experiência de uma existência quântica



O Instituto Confúcio da Universidade de Aveiro (IC-UA), em parceria com vários Departamentos da Universidade de Aveiro (DLC, DeCA, DCSPT, DEGEIT), vai organizar, nos dias 15, 16 e 17 de fevereiro de 2017, o Congresso Internacional “Diálogos Interculturais Portugal-China”

Programa 

15 de fevereiro – DeCA (edifício 40 da UA) 

8h15 – Receção dos participantes e entrega de documentação (DeCA, Edifício 40 da UA)
8h55 – Música da dança do leão, por alunos do DeCA
9h00 – Sessão de abertura
9h30 – Diálogos musicais entre a guitarra e a pipa

09h45 - 10h45 – Conferências de Abertura (Auditório do DeCA - CCCI)
Moderadora: Maria Fernanda Brasete
JOSÉ CARLOS SEABRA PEREIRA (Faculdade de Letras, Universidade de Coimbra): Travessias literárias: da acomodação multicultural à experiência intercultural 
FERNANDA ILHÉU (ChinaLogus / ISEG, Universidade de Lisboa): A Nova Rota da Seda Marítima do Século XXI e Perspetivas de Cooperação de Portugal

10h45 – Intervalo

11h15 – 12h45 – Sessões simultâneas A
MESA 1 (Auditório do DeCA – CCCI)
Moderador: António Lázaro
PAULO SILVA PEREIRA (Universidade de Coimbra – Departamento de Línguas, Literaturas e Culturas): Os Jesuítas, a Letra e o Evangelho. Missionação, materialidades da escrita e acomodação cultural na China do século XVII
ISABEL MURTA PINA (Centro Científico e Cultural de Macau): Escrever sobre a China no século XVII: Álvaro Semedo e a obra Imperio de la China
RUI D’ÁVILA LOURIDO (Observatório da China): Preservar o passado, construir o futuro: Narrativas Históricas em Português sobre a China

MESA 2 (sala 40.3.09)
Moderador: António Graça de Abreu
PAULO SÁ MACHADO (Investigador e ensaísta): Incursões no mundo da cultura chinesa
KEVIN CARREIRA SOARES (PIUDHist - ICS-UL): A criação da Diocese de Macau no contexto da política régia da Coroa Portuguesa para a Ásia do Sueste: projeções e contextos (1576-1623)
ODETE F. SAMPAIO PEREIRA (Mestre em estudos chineses, Universidade de Aveiro) & ÁLVARO ROSA (ISCTE/Instituto Universitário de Lisboa): A influência da filosofia tradicional chinesa no espaço construído

MESA 3 (sala 40.3.16)
Moderador: António Valente
RUI MANUEL MARTINS DE SOUSA TORRES (Instituto do Oriente, Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa): Identidade e Cinema no tempo da cidade ecrã
IGOR RAMOS & HELENA BARBOSA (DeCA, Universidade de Aveiro): Os cartazes dos filmes asiáticos de João Pedro Rodrigues e João Rui Guerra da Mata: um estudo comparativo
MARIA DO CÉU GUERRA (Mestre em Estudos Chineses) & ÁLVARO ROSA (ISCTE/Instituto Universitário de Lisboa): A Adaptação das marcas ocidentais na transmissão da mensagem publicitária na China
14h30 – 16h30 – Sessões simultâneas B


MESA 4 (Auditório do DeCA – CCCI)
Moderadora: Ana Maria Ramalheira
ANTÓNIO MANUEL FERREIRA (CLLC/DLC, Universidade de Aveiro): Encontrar o norte no oriente: alguma poesia de A. M. Couto Viana 
MARIA DO CARMO MENDES (ILCH/CEHUM, Universidade do Minho): Cores e fragrâncias do Oriente: as Histórias de Macau de Altino do Tojal 
PAULO JORGE TEIXEIRA CAVACO & ROSA MARIA SEQUEIRA (CEMRI, Universidade Aberta): O Conto dos Chineses de Cardoso Pires: imigrantes chineses na Literatura Portuguesa
EDUARDO RIBEIRO (jurista, investigador): Camões e Macau

 MESA 5 (sala 40.3.09)
Moderadora: Zélia Breda
SUSANA BARRETO (Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto): Fading Legacy of the Macanese: Towards a Collective Visual Identity
RUI PEREIRA (Direção-Geral das Atividades Económicas, Ministério da Economia): A atual realidade das relações económicas luso-chinesas e perspetivas futuras
SÉRGIO MARTINS ALVES (Câmara de Comércio e Indústria Luso-Chinesa): PortugalChina: Oportunidades e Desafios
LUÍS FILIPE TOMÁS BARBEIRO (Escola Superior de Educação e Ciências Sociais do Instituto Politécnico de Leiria): Encontros interculturais: Fraturas e continuidades nos diálogos entre estudantes chineses e portugueses 

16h30 – Intervalo

 17h00-18h30 – Museu de Aveiro (Santa Joana)
 17h00 – Champanhe de honra

17h00-18h30 – Sessões plenárias
Moderadora: Shao Ling
17h30 – MÁRIO JORGE PEIXOTO TEIXEIRA (DeCA, Universidade de Aveiro): A postura corporal do Taichi aplicada à performance instrumental
18h00 – ÉNIO SOUZA (Instituto de Etnomusicologia - Música e Dança/FCSH/UNL; Centro Científico e Cultural de Macau, Lisboa): Música chinesa e instrumentos musicais em Portugal

18h45 – Inauguração da Exposição de instrumentos musicais chineses
 
 16 de fevereiro – DeCA (edifício 40 da UA)

9h15 - 10h15 – Sessão plenária (Auditório DeCA – CCCI) Moderadora: Maria Teresa Cid
9h15 – ZHU YUAN (School of Foreign Languages, Renmin University of China): Classical Translation and Hermeneutic Dimensions 
9h45 – ANTÓNIO GRAÇA DE ABREU (DCSPT, Universidade de Aveiro): 1977 a 2017, quatro décadas de atribulações de um Português em viagens por toda, toda a China


10h15-10h45 – Intervalo 
Sessão de pósteres
Exposição O encontro das línguas. Tradutores e traduções de escritores portugueses para chinês


10h45 – 12h45 – Sessões simultâneas C

MESA 6 (Auditório DeCA – CCCI)
Moderadora: Maria Teresa Roberto
ANA CRISTINA ALVES (Universidade de Lisboa): Tendências na tradução sinológica portuguesa
WEI MING (Instituto Confúcio da Universidade de Coimbra): A criação do conceito intercultural na aula de tradução português-chinês
VANESSA SÉRGIO (Université Paris Ouest Nanterre La Défense, França): Ou-Mun KeiLeok (1950) ou Breve Monografia de Macau (2009): uma obra original e única, traduzida por Luís Gonzaga Gomes e Jin Guo Ping

MESA 7 (sala 40.3.09)
Moderador: Carlos Rodrigues
VÍTOR RODRIGUES (CETRAD, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro), ZÉLIA BREDA (DEGEIT, Universidade de Aveiro) & MAFALDA VALÉRIO (Consultora de negócios, no sector do turismo): Estarão os destinos preparados para o acordar do dragão? Adaptação de serviços e produtos turísticos ao mercado chinês
ANA MARÍLIA HENRIQUES (DCSPT, Universidade de Aveiro) & ZÉLIA BREDA (DEGEIT, Universidade de Aveiro): Viajantes chineses a nível internacional: A ascensão do turista independente
JIAWEI XING (doutoranda, DCSPT, Universidade de Aveiro) & ZÉLIA BREDA (DEGEIT, Universidade de Aveiro): Políticas públicas de turismo na República Popular da China: Uma revisão da sua evolução ao nível do turismo emissor

MESA 8 (sala 40.3.16) Moderador: Fernando Martinho
CARLOS MORAIS & ROSA LÍDIA COIMBRA (DLC/CLLC, Universidade de Aveiro): Aprendendo português em Portugal: perfil dos alunos chineses do DLC-UA
CATARINA XU YIXING (Universidade de Estudos Internacionais de Xangai): A Leitura e o Ensino de PLE 
HAN YING (Universidade de Línguas Estrangeiras de Dalian): A Importância da Introdução de Conteúdos Culturais e Comunicativos para o Ensino-Aprendizagem de PLE na China
MICAELA RAMON (ILCH/CEHUM, Universidade do Minho): Diálogo intercultural Portugal-China. Alguns desafios colocados no âmbito do ensino de PLE a sinofalantes

14h00-15h00 – Sessão plenária (sala 40.3.17) Moderadora: Fernanda Ilhéu
14h00 – ANTÓNIO DOS SANTOS QUEIRÓS (Centro de Filosofia. Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa / Câmara de Cooperação e Desenvolvimento PortugalChina): O socialismo chinês para o século XXI: O sonho chinês. A china formosa e a nova Rota da Seda para a Paz.
14h30 – YAO JING MING (Universidade de Macau): Entre o possível e o impossível: a tradução de poesia de português para chinês


15h00 – 16h30 – Sessões simultâneas D

MESA 9 (sala 40.3.17) Moderador: António Manuel Ferreira
DEANA BARROQUEIRO (escritora e investigadora): Peregrinações de Fernão Mendes Pinto e outros portugueses na China, o mítico Reino da Perfeição 
MARIA HELENA DO CARMO (escritora e docente de História na Academia Cultural Sénior de Lagoa, Algarve): O Romance Histórico na Relação Luso-chinesa
PAULO JOSÉ MIRANDA (escritor): O problema da identidade humana em Macau ou a experiência de uma existência quântica


MESA 10 (sala 40.3.09) Moderadora: Maria Luís Pinto
JORGE TAVARES DA SIVA (DCSPT, Universidade de Aveiro): As vicissitudes do modelo meritocrático sociopolítico chinês
CARLA ISABEL FERNANDES (Instituto Português de Relações Internacionais – IPRI-UNL): Desafios e estratégias da segurança energética Chinesa
ANABELA RODRIGUES SANTIAGO (Universidade de Aveiro): A China e a sua nova normalidade à luz do 13.º Plano Quinquenal
Y PING CHOW (Liga dos Chineses em Portugal): Os chineses em Portugal

MESA 11 (sala 40.3.16)
Moderadores: Francisco Providência e Mai Ran
RUI COSTA (DECA, Universidade de Aveiro) & EDUARDO NORONHA (DeCA, Universidade de Aveiro): Design da China para produção Portuguesa
BINGMING SUN (Departamento de Arte e Design, Universidade de Yanshan): Alma da “podridão” – a linguagem artística e o conceito da arte da madeira podre 
LIHUI GUO & MO GUO (doutoranda, DLC-UA): A beleza da caligrafia chinesa

16h30 - 16h50 – Intervalo
Exposição Design da China para produção Portuguesa
16h50-18h20 – Workshop de arte chinesa (átrio do edifício 40)
Moderadora: Mai Ran
Workshop de arte chinesa (pintura e caligrafia) – “Viajando pela cultura chinesa” por BINGMING SUN (Departamento de Arte e Design, Universidade de Yanshan) & LIHUI GUO
18h30 – Espetáculo de teatro
ZHENG HE – quando os navios-dragão chegaram, pelo Karin Schäfer Figuren Theater (Áustria)

20h30 – Jantar do Congresso
 
17 de fevereiro – DeCA (edifício 40 da UA)


9h00 – 10h30 – Mesa redonda: Diálogos Musicais entre Portugal e a China Moderadora: Helena Santana
ADRIANO JORDÃO (pianista, fundador do Festival Internacional de Música de Macau)
ABEL MOURA (DeCA, Universidade de Aveiro)
ÉNIO SOUZA (Instituto de Etnomusicologia - Música e Dança/FCSH/UNL; Centro
Científico e Cultural de Macau, Lisboa)
ISABEL ALCOBIA (DeCA, Universidade de Aveiro) 
MÁRIO JORGE PEIXOTO TEIXEIRA (DeCA, Universidade de Aveiro):
SHAO XIAO LING (DeCA, Universidade de Aveiro)

10h30 – Anúncio dos premiados no Concurso “Lendas da China – Prémio Instituto Confúcio Artes 2016”
10h45-11h15 – Intervalo Exposição dos trabalhos premiados no Concurso “Lendas da China – Prémio Instituto Confúcio Artes 2016”

11h15-12h45 – Sessões simultâneas E 

MESA 12 (Auditório DeCA – CCCI) Moderadora: Rosário Pestana
ABEL ALEXANDRE MARQUES DE MOURA (DeCA, Universidade de Aveiro): Introdução e implementação da Música Tradicional Portuguesa em Macau
DAI DINGCHENG (Macao Polytechnic Institute) & SHAO XIAO LING (DeCA, Universidade de Aveiro): Introduction of the Catholic music culture in Macao: musical existence in Colégio de São Paulo (1594-1762)
ISABEL ALCOBIA (DeCA, Universidade de Aveiro) & NAN RI (Universidade de Línguas Estrangeiras de Dalian): A problemática da vocalidade na canção Chinesa enquanto cantor Europeu


MESA 13 (sala 40.3.09) Moderador: Nuno Rosmaninho
WANG SUOYING (DLC, Universidade de Aveiro), Eufemismo na tradução 
MO GUO (doutoranda, DLC-UA): A porcelana entre dois mundos. Reinterpretações portuguesas da paisagem chinesa shanshui
JIAQI ZHU (doutoranda, DCSPT, Universidade de Aveiro): O café e o chá nas culturas da China e de Portugal
JOÃO MARCELO MESQUITA MARTINS (Universidade do Minho): O Papel Criador da Deusa Nüwa: O Mito da Criação da Humanidade como Diálogo Intercultural entre China e Ocidente

14h30 – Sessão plenária (Auditório do DeCA, CCCI)
Moderadora: Rosa Lídia Coimbra
14h30 – ELISABETTA COLLA (Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa): Beijing: from city planning to acceptance 
15h00 – RUI LOUREIRO (Instituto Superior Manuel Teixeira Gomes & Centro de História d'Aquém e d'Além-Mar, FCSH-UNL / UAç): Impressões da China nos Colóquios dos simples de Garcia de Orta (Goa, 1563)


15h30 – Intervalo

16h00 – Sessão de encerramento (Auditório do DeCA, CCCI)
Moderador: Carlos Morais
LUÍS FILIPE BARRETO (CCCM e Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa): Portugal-China: a Distância que Aproxima
16h45 – Sarau Musical
 
Atividades paralelas Workshops de arte chinesa (pintura e caligrafia) – “Viajando pela cultura chinesa” por BINGMING SUN (Departamento de Arte e Design, Universidade de Yanshan) & LIHUI GUO
Dia 13 | 10h00-16h00: Escolas Secundárias Soares Basto (Oliveira de azeméis) e Oliveira Júnior (S. João da Madeira)
Dia 13 | 18h00-19h00: Instituto Confúcio da Universidade de Aveiro.
Dia 14 | 12h00-13h30: Escola Secundária D. Duarte (Coimbra)
Dia 14 | 18h00-19h00: Instituto Confúcio da Universidade de Aveiro no IC (formação dos professores Chinês) 
Dia 15 | 11h50-13h15: Escola Secundária José Estêvão (Aveiro) 
Workshops de música e de instrumentos chineses, por ÉNIO SOUZA (Instituto de Etnomusicologia - Música e Dança/FCSH/UNL; Centro Científico e Cultural de Macau, Lisboa)
Museu de Aveiro (Santa Joana) | 21-23 de fevereiro de 2017: 
14 oficinas para alunos do ensino básico e secundário da região, Universidade Sénior (academia de saberes) e Sociedade Musical Santa Cecília 
Espetáculos de teatro – ZHENG HE – quando os navios-dragão chegaram, pelo Karin Schäfer Figuren Theater (Áustria)
Dia 15 | 14h30: Casa da Criatividade (S. João da Madeira), para alunos do ensino básico de S. João da Madeira
Dia 17 | 14h30: Multimeios de Espinho, para alunos do ensino básico de Espinho

28/01/2017

Viaje pelo Egipto e Etiópia com o Espião de D. João II - Pêro da Covilhã

Está quase a terminar o prazo das inscrições para esta grande viagem ao Egipto e Etiópia, na Páscoa, que nos permitirá assistir às impressionantes cerimónias religiosas etíopes, uma tradição de 800 anos, algo que raros turistas conseguem ver. Além disso, os sítios a visitar são um deslumbramento e do nosso passado colectivo há muitas histórias para contar, maiores que qualquer ficção. Os amigos e amigas que possam estar interessados, informem-se aqui, pelo catálogo ou com a agência e eu estou disponível também para responder às vossas perguntas. Será um grupo pequeno, bom para se fazer amizades e tornar a viagem numa bela aventura partilhada.
Teresa Neves - Tryvel:
Com o acompanhamento de Deana Barroqueiro (conceituada escritora de romance histórico) que, depois de um trabalho exaustivo de investigação histórica, escreveu o livro “O Espião de D. João II” inspirado na incursão de Pêro da Covilhã por terras da Abissínia em busca do mítico Preste João.
Uma viagem única, em exclusivo, com um número restrito de participantes (máximo 15) em que, coincidindo a Páscoa ortodoxa com a católica, terão ...a oportunidade de assistir às cerimónias da Semana Santa nas igrejas escavadas de Lalibela. Uma viagem TRYVEL, integrada no projecto TRYART - viagens temáticas com acompanhamento de personalidades.
Lugares limitados - ULTIMA OPORTUNIDADE.

Programa e itinerário

Duração: 16 dias (de 02/04/2017 a 17/04/2017)
Preço: 4970 €

1º DIA – LISBOA / MUNIQUE/ CAIRO
Comparência no aeroporto até 120 minutos antes da partida. Roga-se aos viajantes que, antes de entrarem na nave voadora, se apresentem e convivam com os seus companheiros de aventuras. Assistência garantida no embarque e saída, às 14h20, na Lufthansa com destino a Munique. Chegada a Munique e trânsito para a nave voadora com destino ao Cairo, onde aterrará já de madrugada

2º DIA - CAIRO
Chegada cerca da 1h10, ao Cairo, onde seremos assistidos pelos nossos serviços locais para obtenção de visto. Transferência para o Hotel Semiramis ou similar, um caravançarai de 5*, onde tomaremos pousada. De manhã, após o pequeno almoço, saída às 10h30 com destino ao Planalto de Guiza, para visitar as Pirâmides de Khufu, Khafré e Menkauré, o Museu da Barca Solar, a Esfinge e o Templo do Vale de Khafré. Almoço no emblemático Mena House Hotel entre as visitas. Regressaremos ao Cairo, no final do dia, para jantar num fondouk (restaurante) local e recolher ao caravançarai para dormir.

3º DIA – CAIRO /ALEXANDRIA / CAIRO
Pequeno almoço e partida da caravana dos portugueses para Alexandria. Primeiras vistas de reconhecimento da cidade. Visita ao Forte de Qait Bey, construído sobre as fundações do antigo farol (Pharos), as Catacumbas de Kom el-Shaqqafa e a fabulosa Biblioteca Alexandrina. Entre as visitas, paragem para almoçar numa estalagem local. Regresso ao Cairo no final do dia, com jantar num malcozinhado ou fondouk local.

4º DIA – CAIRO
Após o pequeno almoço, embarcaremos numa nova viagem ao passado, de um dia inteiro no Cairo, seguindo o rasto de Pêro da Covilhã e de Afonso de Paiva: passeio a pé pelo Bairro de el-Hussein, passando pela Rua AlMoaz (desde Nab El Naser até Bab Zeela) e pelos diferentes palácios e mesquitas do seu tempo. Almoçaremos numa estalagem local e prosseguiremos à descobertas da Mesquita do Sultan Hassan e da Cidadela de Saladino. A última visita do dia será ao Bairro Copta. Regresso da caravana ao caravançarai e saída para jantar num fondouk da cidade.

5º DIA – CAIRO
Pequeno almoço e saída para a Cidade dos Mortos, uma necrópole árabe que remonta à conquista muçulmana do Egito. Segue-se a visita ao Museu Egípcio do Cairo. Almoço num fondouk ou malcozinhado local e regresso ao caravançarai para descansar. Saída para o jantar de despedida no Al Azhar Park. Em hora a combinar localmente partiremos para o aeroporto do Cairo, onde embarcaremos numa nave voadora da Ethiopian Airlines com destino a Addis Abeba, na Etiópia.
O escudeiro Pêro da Covilhã – um misto de Indiana Jones e James Bond dos finais do Século XV – parte com Afonso de Paiva à descoberta de uma rota terrestre para as especiarias e do paradeiro do mítico Preste João, o imperador cristão que a Europa buscava há mais de duzentos anos. Os afortunados viajantes da nossa mágica caravana irão reinventar essa demanda (que só tem paralelo na busca do Graal) do misterioso reino da Rainha de Sabá, explorando o Cairo e as terras da Abissínia, numa fascinante viagem ao passado, ao encontro de estranhos mundos, vistos através dos olhos e do espírito do espião preferido de D. João II.

6º DIA – ADDIS ABEBA
Chegada a Addis Abeba e ao reino do Preste João, assistidos pelos nossos serviços locais, partindo para uma primeira exploração da capital etíope. Addis Abeba é, acima de tudo, uma cidade hospitaleira, sendo fácil ao viajante travar amizade com os seus habitantes. Visita do Museu Nacional da Etiópia, com objetos maravilhosos da civilização pré-Axumite de Tigray, e também o esqueleto de Lucy, uma das mais importantes descobertas paleontológicas da história. Segue-se a visita a algumas das mais proeminentes igrejas cristãs ortodoxas da cidade. Alojamento no caravançarai de 5*, Hotel Hilton Addis Abeba ou similar.
Procissão ao redor de Bet Medane Alem, a maior das igrejas de Lalibela (Foto: © Haroldo Castro/ÉPOCA)
7º DIA -  ADDIS ABEBA – BAHIR DAR (avião)
Após o pequeno almoço, seguiremos para o aeroporto de Addis Abeba, onde partiremos, num voo doméstico, com destino a Bahir Dar. Dia dedicado ao Lago Tana. Na península Zege, visitaremos os mosteiros de Ura Kidane Mihret e Bet Maryam. Almoço piquenique no próprio barco durante o passeio no Lago. Ao final do dia, regresso à cidade de Bahar Dar, para o alojamento e jantar no Hotel Kuriftu Resort ou similar.

8º DIA -  BAHIR DAR / GONDAR
Pequeno almoço no hotel e saída em direção a Gondar. Da manhã, durante o percurso, visita das cascatas do Nilo Azul, uma das quais com 45 metros de altura. Almoço e continuação da viagem para Gondar. Alojamento e jantar no Hotel Goha ou similar.

 9º DIA - GONDAR / SIMIEN
Após o pequeno almoço, visitaremos a cidade de Gondar, a antiga capital da Etiópia, que possui um dos primeiros castelos conhecidos na história de África (Fasil Ghebbi). O recinto muralhado cercado por altos muros de pedra, com 70 mil metros quadrados, contém um total de seis castelos, interligados por um complexo de túneis e viadutos. O Castelo de Fasilidas é uma combinação perfeita do estilo português, axumite e indiano. Depois de conhecermos o verdadeiro coração de Gondar, visitaremos os Banhos Reais de Fasilidas, do século XVI. O passeio terminará no mosteiro de Debre Berhan Selassie. Almoço num fondouk local. De tarde, continuação da viagem para as montanhas do Simien. Jantar e alojamento no Hotel Lodge to Simien ou similar.

10º DIA - SIMIEN /  GONDAR
Durante a manhã, após o pequeno almoço, passeio pelo Parque Nacional. Ao longo das encostas íngremes, observaremos os macacos Geladas, uma espécie endémica da Etiópia que vivem em bandos, sempre perto dos penhascos e desfiladeiros. De tarde, após o almoço, regresso a Gondar. Jantar e alojamento no Hotel Goha ou similar.

11º DIA – GONDAR / AXUM
Logo pela manhã, partida da caravana para o aeroporto, de onde voaremos para Axum, a cidade histórica de Tigray e a verdadeira espinha dorsal da cultura nacional, que o P. Francisco Álvares deu a conhecer à Europa no Séc. XVI. A capital do poderoso Império Axumite é também o centro espiritual do cristianismo ortodoxo etíope. Cidade com muitos mercados e monumentos magníficos, classificados pela UNESCO, destacando-se as mais de 300 estelas, algumas delas com mais de 20 metros de altura. Axum está ligada à lenda da fabulosa rainha de Sabá e dos seus amores com o rei Salomão, do Antigo Testamento. Alojamento e jantar e no Hotel Sabean ou similar.
No pátio de Bet Giyorgis (São Jorge), sacerdotes preparam-se para a missa da meia-noite (Foto: © Haroldo Castro/Época)
12º DIA – AXUM / LALIBELA
Partida para o aeroporto, onde embarcaremos num voo doméstico para a cidade mágica Lalibela. Almoço, após a chegada, seguido de alojamento no caravançarai Tukul Village ou similar. Tempo livre para descanso. Após o jantar no hotel Tukul Village, visita das igrejas escavadas na rocha, a “Jerusalém Africana”, para assistir às cerimonias de Fasika, vigilia da sexta feira santa da Páscoa Etiope. O conjunto de igrejas de Lalibela foi declarado Património Mundial da UNESCO em 1979 e é o principal local de peregrinação para cristãos ortodoxos. Onze igrejas, divididas em três grupos, separados pelo rio Yordanus, construídas em blocos monolíticos, com uma precisão matemática impensável para a época. Regresso ao caravançarai para dormir.

13º DIA - LALIBELA
Pequeno almoço e saída para o segundo dia de visita a Lalibela. Continuando a explorar as igrejas escavadas na rocha, no dia em que os fiéis, todos vestidos de branco, rezam nas cerimónias da Páscoa. Regresso ao caravançarai Tukul Village para jantar e dormir.
Ritual da exposição dos tesouros. Cálices de ouro, cruzes de prata e coroas de reis (Foto: © Haroldo Castro/Época)
14º DIA -  LALIBELA
Após o pequeno almoço, visita de Asheton Maryam, um impressionante mosteiro onde se podem observar cruzes e manuscritos de valor inestimável. Atrás do mosteiro fica o Monte Abuna Yoseph e ao seus pés uma vista incrível de Lalibela. De tarde, após o almoço, visita do mercado local, especialmente colorido pela celebração da Páscoa Etíope. À noite, possibilidade de assistir à cerimonia da vigília Pascal, com as igrejas iluminadas com velas, um marco único em Lalibela, tendo como fundo da cerimonia, a igreja de São Jorge, uma das mais conhecidas pela sua forma de cruz. Regresso ao caravançarai Tukul Village para jantar e dormir.

15º DIA – LALIBELA /  ADDIS  ABEBA
Partida para o aeroporto e embarque num voo doméstico com destino a Addis Abeba. Jantar de despedida num fondouk com música e danças tradicionais. Em hora a combinar localmente seguiremos para o aeroporto a fim de embarcar em voo da Lufthansa com destino a Frankfurt (Via Jedda).

16º DIA –  ADDIS  ABEBA / FRANKFURT / LISBOA
Chegada a Frankfurt e formalidades de trânsito para um voo Lufthansa com destino a Lisboa. Chegada a Lisboa.

Mais informações no sítio da Tryvel/Tryart: AQUI



02/01/2017

Feliz Ano 2017


Os convites eram pinturas de ceias dos Séc. XVI e XVII
Caríssimos Leitores:
Os amigos são um bem precioso. São a mais-valia da minha vida. Bastaram sete, que vieram partilhar a nossa «ceia renascentista», para fazer da nossa passagem de ano uma ocasião memorável. Bem hajam os amigos! Continuação de BOM ANO a todos.


 A «Ceia Renascentista» tem a ver com a possibilidade de eu publicar, no fim deste ano de 2017, um livro com histórias de sabores, a acompanhar o meu romance sobre a Restauração.

Na falta do javali, o pernil de porco foi cozinhado da mesma forma, com todos os «adubos» e «cheiros» da época

O Menu das iguarias com que festejei os meus amigos e o Ano Novo. Ainda estávamos à mesa, quando começou a contagem do fim do Ano


24/12/2016

Feliz Natal para todos os meus Leitores/Amigos

Amigas e Amigos, tenho saudades vossas! Nos últimos dois2 meses quase não olhei para o blogue, nem comuniquei com ninguém nas redes sociais, e os Amigos fazem-me falta, sem eles sinto-me mais pobre.

O meu problema é que eu «vivo para a escrita», que é uma coisa muito diferente (e pior) do que «viver da escrita». Seja vício, fome ou compulsão eu tenho de estar sempre a ler e a escrever um ou mais livros, por muito que me queira disciplinar e fazer só uma coisa de cada vez e com calma.

Mas como é que posso ter calma aos 71 anos? Na curva descendente (é já plano inclinado) da vida, com a vista a piorar e o cérebro a abrir buracos negros na galáxia das minhas células? E com o tempo que eu levo com cada livro? Tenho de aproveitar cada minuto para poder ter no próximo ano algum pedaço de mim para vos oferecer. Com sorte serão dois, duas coisas diferentes mas complementares...

Mas, para isso, não vivo a «vida real», quase não saio de casa (só quando viajo). O mais estranho de tudo é que estar enfiada no meu escritório, horas e dias a fio, a descobrir histórias que pouca gente conhece, para as poder partilhar com os amigos que me lêem, me faz imensamente feliz! Dá para entender?

Feliz Natal, companheiros! E obrigada por serem meus amigos e me terem acompanhado mais uma ano com o vosso carinho, que é coisa sem preço. Bem hajam! Um beijo enorme.

10/10/2016

Festival Books & Movies de Alcobaça

Dia 13, Quinta-feira, às 21 horas
 Estarei, em Alcobaça, para receber com muito carinho aos amigos leitores que queiram dar-me algum tempo das suas vidas para uma agradável conversa.


De 10 a 16 de outubro, escritores e artistas juntam-se à população em espaços públicos da cidade de Alcobaça e em cafés da zona histórica para conversar sobre l...ivros e filmes. Mais de uma dezena de escritores e de ilustradores vão partilhar palavras, gestos e olhares com o público.
O Festival apresenta uma programação focada na comunidade escolar mas que procura chegar a todos os públicos com a presença de figuras de destaque locais e nacionais ligadas à literatura, ao cinema, ao teatro, às artes plásticas, entre outras.
O Books & Movies acontece pela cidade, ao ritmo dos artistas e do público.
A odisseia das palavras, telas e imagens.
Aventure-se connosco!
#alcobaca #festivalbooksmovies #booksmovies2016 #rockfest #entradalivre

02/10/2016

Colóquio sobre D. Francisco Manuel de Melo

Vou participar no COLÓQUIO  SOBRE OS 350 ANOS DA MORTE DE D. FRANCISCO MANUEL DE MELO
7 Outubro 2016 | Biblioteca Nacional de Portugal (Campo Grande)

A minha intervenção, cerca das 15 h, intitula-se: D. FRANCISCO MANUEL DE MELO: CONHECER, SENTIR E “ESCREVIVER”. Este grande escritor do Século XVII é uma das principais personagens do meu próximo romance.

Ver todo o programa AQUI: http://iflb.webnode.com//outubro-2016-coloquio-d-francisco-manuel-de-melo/

14/09/2016

FIC - CASCAIS

SEXTA, 16 DE SETEMBRO - 19 horas
Mesa-redonda na Casa das Histórias Paula Rego, Cascais.
Tema: Realidade e ficção nos romances históricos.
Deana Barroqueiro
Domingos Amaral ...
João Morgado
Maria João Lopo de Carvalho
Moderação: Ana Daniela Soares











SÁBADO, 17 DE SETEMBRO - 21.30 horas

Feira do Livro de Cascais

Estarei à espera dos meus amigos leitores, para uma dessas animadas conversas que me enchem de prazer.

09/09/2016

Feira do Livro do Porto








Amanhã, Sábado 10, a partir das 16 horas, vou estar na Feira do Livro do Porto, no Espaço Leya, para receber e falar com os meus amigos leitores. Nos jardins do Palácio de Cristal, um dos belos lugares da Invicta, de que tanto gosto. Lá os espero com o prazer de sempre.

Festival Literário de Ovar

Vou participar no Festival Literário de Ovar, no dia 11, Domingo, às 15.30 h, na Mesa Redonda 11, "Quando a Literatura e a História dançam tango", com João Pedro Marques e Maria João Lopo Carvalho.

Vejam o programa completo e variadíssimo aqui:
https://issuu.com/cmovar/docs/binder1?e=0


02/09/2016

Deana Barroqueiro na Feira do Livro de Belém

Vou estar amanhã, dia 3 de Setembro, a partir das 18 horas, na feira do Livro de Belém para conversar com os meus amigos leitores. Estes encontros são para mim, além do acto de escrever, os melhores momentos da minha vida de escritora.


01/09/2016

Uma viagem ao Passado

Na bela cidade de Viseu, que é o produto de milénios de História, fui de novo guia/contadora de histórias, para todos os que embarcaram no encantador comboio que percorre a cidade, mostrando os seus monumentos e recantos preciosos, em que a realidade e os mitos se confundem.
Um artigo de Daniela Soares Ferreira no Diário de Viseu

26/08/2016

Dia de Viriato, em Viseu

28 de Agosto 2016, Domingo

Vou participar em várias actividades da comemoração do dia deste herói ibérico, na bonita e culturalmente vivíssima cidade de Viseu. Estarei à conversa com quem me quiser ouvir, sobre os heróis (verdadeiros ou míticos), serei membro do júri na prova dos deliciosos bolos "Viriato" (que bom!!!) e julgo que, no dia 29,  segunda-feira de manhã, serei guia/contadora de histórias, durante um passeio do comboio turístico da cidade. Um programa em cheio. E se Viseu sabe acolher os visitantes!  


05/08/2016

Feira do Livro da Figueira da Foz

Domingo, dia 7 de Agosto, a partir das 17 h.

Vou estar na Feira do Livro da Figueira da Foz, no no Pavilhão Multiusos.
É sempre a minha oportunidade de conviver com os leitores/amigos e poder conversar com aqueles que me lêem, sobre História e Viagens. Lá os espero.



29/07/2016

Feira do Livro da Ericeira

31 de Julho, Domingo), pelas 17 h. no Parque de S. Sebastião

Vou estar na Feira do Livro da Ericeira É sempre a minha oportunidade de conviver com os leitores/amigos e poder conversar com aqueles que me lêem, sobre História e Viagens. Lá os espero.




27/07/2016

Colóquio em Lisboa

HOJE, 4ª feira, 27 de Julho, às 18 h. vou estar na Coimbra Taverna (Calçada de S. Francisco, 6A - ao Chiado) a falar da presença dos portugueses no Oriente, nomeadamente em Malaca, Samatra, Java e Malucas e a apresentar a viagem com O Corsário dos Sete Mares por esse mundos.

Apareçam para um agradável convívio.


22/06/2016

63º Encontro dos Descobrimentos - O Japão e o Mundo Ocidental

Dia 28 de Junho, cerca das 16 h, Deana Barroqueiro terá uma intervenção e participará numa mesa redonda, com João Morgado,  sobre os primeiros contactos dos Portugueses com o Brasil e o Japão: "Fernão Mendes Pinto - Um “achamento” que mudou uma nação"

No 63º Encontro dos Descobrimentos - O Japão e o Mundo Ocidental - 2ª Edição
Local: Centro Cultural de Cascais | Avenida Rei Humberto II de Itália, S/N - Cascais
Programa
09h30 - Recepção dos Palestrantes
10h00 - Abertura
10h10 - Palestras:
"Direito, Justiça e Globalização" (Palestras + Debate):
Alberto Carvalho Neto - "Da Caravela à Globalização - Cooperação dos Países de Língua Portuguesa e Espanhola e as suas relações com a Ásia"
Vice-Presidente da Federação Sino-PLPE
Ana Rodrigues da Silva - "Reflexos da globalização na pratica judiciária: o exemplo do regulamento sucessório europeu"
Juíza do Tribunal de Cascais
Gonçalo Sopas de Mello Bandeira - "Lavagem de Dinheiro em Portugal e no Brasil: alguns aspectos”
Prof. da ESG/IPCA, Investigador no CEDU-Universidade do Minho
José António Mouraz Lopes - "A relevância das politicas públicas anticorrupção"
Juíz Conselheiro do Tribunal de Contas de Portugal
Nuno Miguel Pereira Ribeiro Coelho - "Aspectos distintivos dos sistemas judiciais dos países de língua oficial portuguesa"
Juíz Desembargador do Tribunal da Relação do Porto
Moderador: Nelson Faria de Oliveira
Presidente do CIC - Centro Internacional de Cultura e Secretário-Geral da CJLP - Comunidade de Juristas de Língua Portuguesa
12h30 - Pausa para o Almoço
14h00 - Palestras:
"Vila do Bispo em 30 minutos"
Adelino Soares
Presidente da Câmara Municipal de Vila do Bispo
Artur de Jesus
Licenciado em História - Vila do Bispo
"Portugal e o Japão na Era Contemporânea: Da Diplomacia à Economia, do Desenvolvimento à Educação"
Pedro Miguel Amakasu Raposo Medeiros
Professor nas Universidades Lusíadas
"Desafios Presentes e Futuros | A Nova era de ligação entre Portugal e o Japão | A Ascenção do Quinto Império"
João Ribeiro
Presidente da Associação de Amizade Portugal-Japão
Arlindo Catoia Varela
Diretor da AEB - Associação de Comércio Exterior do Brasil e Ex–Presidente da Câmara Portuguesa de Comércio e Indústria do Rio de Janeiro
15h50 - Coffee Break
"A face humanista de Cabral"
João Morgado
Professor e Chefe de Gabinete do Presidente da Câmara de Belmonte e Autor de diversas Obras, entre as quais "Vera Cruz"
"Fernão Mendes Pinto - Um “achamento” que mudou uma nação"
Deana Barroqueiro
Professora e Autora de numerosos romances inspirados em conhecidos personagens da História, com ênfase nos Descobrimentos
Mesa Redonda com João Morgado e Deana Barroqueiro
"Oportunidades de negócios entre Brasil, Portugal e Japão"
Nelson Faria de Oliveira
Presidente do CIC - Centro Internacional de Cultura e Secretário-Geral da CJLP - Comunidade de Juristas de Língua Portuguesa
17h00 - Encerramento

15/06/2016

A Páginas Tantas - O Romance Histórico

O Romance Histórico

Inês Pedrosa, Rita Ferro e Patrícia Reis, moderadas por Ana Daniela Soares conversam sobre o Romance Histórico, sem papas na língua. Só hoje pude ouvir o programa, pelo que só agora lhes agradeço, muito sensibilizada, as referências elogiosas que me fizeram. Bem hajam, caras companheiras de Escrita.


Ouvir o programa aqui: A Páginas Tantas


09/06/2016

Um Blog entre Bibliotecas: [Autores Portugueses] Deana Barroqueiro

Um Blog entre Bibliotecas: [Autores Portugueses] Deana Barroqueiro: Deana Barroqueiro é autora de numerosos romances inspirados em conhecidos personagens da História. A sua pesquisa minuciosa leva-a a rec...

02/06/2016

Lotte Reiniger - Papageno - (1935).m4v

Lotte Reiniger é um dos símbolos da arte do cinema de animação e merece uma homenagem da Google, que recria a técnica desta artista, as sombras que ganham vida para contar ou recriar histórias.
A artista nasceu em Charlottenburg, na Alemanha, a 2 de Junho de 1899. Lotte Reiniger criou filmes fantásticos, usando cartolina preta, tesouras e ilimitada imaginação, ainda antes de Walt Disney.
Lotte Reiniger foi pioneira numa técnica inigualável de contar histórias, criando personagens em papel e dando-lhes vida.
Mas não são apenas as histórias de silhuetas de Reiniger que marcam esta grande figura do cinema de animação. É a forma como inspirou outros artistas – ninguém fez como Lotte, mas muitos beberam do seu talento.
O teatro de sombras foi transportado por Lotte Reiniger para o cinema. A mulher que sonhara ser actriz cria, em 1919, o primeiro filme, chamado ‘Das Ornamentdes verliebten Herzens’. Mas recriou os grandes contos de fadas, com as suas sombras encantadoras.
Veja a ‘curta-metragem’ que recorda a obra de uma figura única do mundo das artes.

Para quem gosta de A Flauta Mágica, de Mozart, aqui fica a ária de Papageno.

25/05/2016

Feira do Livro de Lisboa

Estarei, na Feira do Livro de Lisboa, no Parque Eduardo VII, para conversar com os meus Amigos Leitores, no meio de livros, uma das coisas que mais amo. 


1 - Sábado, dia 28 de Maio, a partir das 16 horas
Na Praça Leya, face ao Pavilhão da Casa das Letras,será o meu primeiro encontro com os  que estiverem dispostos a dar-me dois dedos de conversa. 

2 - Sábado, dia 4 de Junho, a partir das 16 horas
Volto a estar na Praça Leya, no mesmo lugar, para mais umas horas de convívio


Comigo estará um representante da Tryvel/TryArt que, em parceria com a Casa das Letras/Leya, organiza as viagens culturais com os meus dois romances O Corsário dos Sete Mares - Fernão Mendes Pinto (a Malaca, Samatra, Java e Molucas, de 15 de Outubro a 1 de Novembro de 2016) e O Espião de D. João II (ao Egipto e Etiópia, na Páscoa de 2017),para prestar informações a quem estiver interessado.


21/05/2016

Viaje com a escritora Deana Barroqueiro

Nos dias 28 de Maio e 4 de Junho (Sábados, às 16 horas), estarei na Feira do Livro de Lisboa para conviver com os meus leitores. A agência de viagens TRYVEL/TRYART fez uma parceria com a minha editora Casa das Letras/Leya, para a apresentação das duas viagens que faremos com os meus romances: a 1ª, a Malaca, Java, Samatra e Molucas, com "O Corsário dos Sete Mares", na 2ª quinzena de Outubro de 2016 (ver no post anterior ou Aqui o magnífico programa - http://tryvel.pt/tour/corsario-sete-mares/), e a 2ª, ao Egipto e Etiópia com "O Espião de D. João II - Pêro da Covilhã", na Páscoa de 2017. Durante a Feira haverá uma campanha com desconto para quem se inscrever até 15 de Junho.

18/04/2016

Venham viajar com Deana Barroqueiro e O Corsário dos Sete Mares até à Malásia e Indonésia


A minha viagem com a Tryart, como guia cultural

Embarcar numa Cápsula do Tempo, rumo ao passado e ao apogeu da grande saga dos Descobrimentos Portugueses, na senda de Fernão Mendes Pinto, O Corsário dos Sete Mares e dos primeiros navegadores que passaram além da Taprobana. Uma viagem de sonho e aventura em busca das ilhas afortunadas, por eles descobertas, das fabulosas paisagens, lendas e tradições que guardaram na memória ou registaram nos seus livros de viagens e peregrinações.

Ainda estamos longe da 2ª quinzena do mês de Outubro, de 2016, mas, mais vale avisar com tempo, para que não me digam depois que não sabiam! É de facto uma viagem pensada ao pormenor para maravilhar e também para partilhar memórias do nosso passado colectivo, no rasto de Fernão Mendes Pinto, o Corsário dos Sete Mares, por Malaca, Samatra, Java e Molucas. Imperdível! Será que vou ter amigos internautas a acompanhar-me nesta belíssima aventura, para ouvirem as muitas histórias que tenho para contar e verem paisagens e monumentos de cortar a respiração? Oxalá!

Corsário dos Sete Mares

  • Destino: Ilhas Molucas Indonésia, Malásia.
  • Duração 17 dias
  • De: 15/10/2016 a: 31/10/2016
  • Preço: 4495€
1º Dia – Lisboa / Dubai
Comparência no aeroporto da Portela até 120 minutos antes da partida. Roga-se aos viajantes que, antes de entrarem na cápsula do Tempo, se apresentem e convivam com os seus companheiros de aventura. Assistência nas formalidades de embarque e saída, com destino ao Dubai.
2º Dia – Dubai / Kuala Lumpur / Malaca
Chegada ao Dubai, desembarque em trânsito e prosseguimento da viagem em avião da mesma companhia, com destino a Kuala Lumpur, capital da Malásia. Não será uma longa rota, porque, graças à magia da Emirates e das suas naus voadoras, os onze meses da viagem de Lisboa a Malaca estão reduzidos a cerca de um dia, com escalas e aguadas incluídas. Chegada às 21h50 locais e após as formalidades de desembarque, transfer em direcção a Malacca. Depois da conquista da cidade por D. Afonso de Albuquerque, os caminhos são tão seguros como os de Portugal, podendo os viajantes admirar as paisagens com prazer e sem temor. À chegada, alojamento e refeição ligeira no Hotel Impiana Heritage 4* ou similar.
3º Dia – Malaca
Após o pequeno almoço, saída para visita da cidade de Malacca, o porto de chegada, de encontro e de partida dos aventureiros portugueses, pioneiros da globalização, para todas as nações do Oriente longínquo. Visita aos seus pontos de maior interesse histórico: a Famosa, Porta de Santiago construída em 1511, ponto de entrada para a Fortaleza Portuguesa; a Igreja de S. Pedro, a mais antiga igreja de Malacca ainda em uso e onde S. Francisco Xavier foi sepultado. Paragem no sopé da colina para apreciar o Poço do Sultão antes da visita ao Bairro Português. Prosseguimento até às ruínas da Igreja de S. Paulo, lado a lado com túmulos holandeses do século XVII e a Praça Vermelha onde se destaca o cor-de-rosa salmão do Edifício Administrativo holandês que alberga nos dias de hoje o Museu de Malacca e alguns escritórios governamentais. Visita à Igreja de Cristo antes de paragem para almoço em restaurante local. Após o almoço, visita ao Templo de Cheng Hoon – o único templo onde se professam as 3 maiores doutrinas da crença chinesa: Taoísmo, Budismo e Confucionismo. Passeio ao longo da antiga Estrada de Malacca que acaba nas margens do rio Malaka. Jantar em restaurante local. Regresso ao Hotel para alojamento. Durante 130 anos (1511- 1641), Malacca foi portuguesa e dela se contarão, ao longo do dia, infindas histórias de corsários, mercadores, mercenários e… casados.
4º Dia – Malaca / Kuala Lumpur
Após o pequeno almoço, viagem de regresso a Kuala Lumpur. À chegada, visita às Caves Batu nos subúrbios leste da cidade, onde será possível observar o modo de vida malaio, em toda a sua diversidade, e as tradicionais indústrias “Cottage”. Visita à fábrica Royal Selangor Pewter – o maior fabricante de estanho do mundo. Almoço em restaurante local. De tarde, visita à Chinatown onde se evocará o 1º encontro entre os portugueses e os chineses, em 1511, quando alguns capitães de juncos ofereceram ajuda a D. Afonso de Albuquerque para a conquista de Malacca, tendo o Capitão-mor enviado por eles cartas com pedido de amizade ao imperador da China. Segue-se um passeio pelo mercado central nocturno onde os locais regateiam animadamente a mercadoria. Jantar em restaurante local com buffet malaio e show cultural. Transfer e alojamento no Royal Hotel 4* ou similar.
5º Dia – Kuala Lumpur
Pequeno almoço no Hotel e um novo salto no tempo para um passeio na cidade, nascida por volta de 1850. De manhã, visita ao Monumento Nacional, ao Museu Nacional, à Galeria KL e ao Museu do Palácio do Rei. Paragem para fotos nas Torres Petronas, na Torre de Observação. Almoço buffet no restaurante 360 Atmosphere na torre KL. Depois do almoço, regresso ao Hotel. Tarde livre para descanso ou outras actividades de carácter pessoal. Alojamento.
6º Dia – Kuala Lumpur / Medan / Parapat / Ilha Samosir
Pequeno almoço no Hotel. Transfer privativo para o aeroporto de Kuala Lumpur para embarque em avião da Malaysia Airlines com destino a Medan, na ilha de Samatra, para retomar a rota de Fernão Mendes Pinto, as suas estadias no reino de Aru, como embaixador e mercenário nas guerras com Aceh. Chegada ao aeroporto de Kualanamuamu, recepção pelos nossos representantes locais e partida com destino a Parapat – famosa estância de montanha nas margens leste do imenso lago vulcânico Toba – passando por pequenas povoações e vastas plantações de óleo de palma, borracha e campos de arroz em terraços. Almoço em caminho. À chegada a Parapat, embarque em ferry com destino a Samosir – uma ilha no centro do Lago Toba. Alojamento e jantar no Hotel Toledo Inn ou Tabo Cottages ou similar.
7º Dia – Ilha Samosir / Lago Toba / Ilha Samosir
Depois do pequeno almoço, início da visita da Ilha de Samosir de barco. Visita à tradicional aldeia de Ambarita com antiga mobília megalítica em frente às casas tradicionais.  Paragem para visitar a aldeia de Simanido e assistir à dança tradicional do povo Batak Toba. O rei de Batak foi um dos primeiros aliados dos portugueses, depois da conquista de Malaca, a quem pediu ajuda militar para as suas guerras com Aceh. Os seus festins tradicionais tinham como suprema iguaria, o coração, o nariz, as orelhas e as palmas das mãos e dos pés dos seus inimigos, acompanhados de um arroz de cabidela, feito com o seu sangue. Recomenda-se como opção o Rendang de carne. Almoço entre as visitas. A última visita será às aldeias de Tomok com o seu túmulo do rei Sidabutar e de Toba village. Regresso ao Hotel para jantar com músicas tradicionais Batak. Se for concerto de gamelão ou representação de um títere Si Gale Gale, que possa incarnar o espírito de Fernão Mendes Pinto, a noite será de festa maior. Alojamento.
8º Dia – Ilha Samosir / Parapat / Brastagi / Medan
Pequeno almoço. Logo após, continuação da viagem até Brastagi, via o anel rodoviário do Lago Toba. No caminho, passagem por plantações de pinheiros, pelo magnífico cenário do Lago Toba e por quintas férteis de frutas e vegetais. Visita ao antigo Palácio do Rei de Simalungun em Pematang Purba. Almoço e passagem pela esguia queda de água de 100 metros de altura que desce até ao Lago Toba. Chegada a Brastagi, uma refrescante estância de montanha dominada por dois vulcões activos. Visita a um mercado de fruta. Continuação até Medan através da luxuriante floresta tropical húmida de Sumatra. À chegada a Medan, jantar e alojamento no Hotel Santika Premier Dyandra 4* ou similar.
9º Dia – Medan / Jakarta
Pequeno almoço no Hotel. Em hora a determinar localmente, transfere para o aeroporto para embarque às 12h20 em avião da Garuda Indonesia – voo GA 187, com destino a Jakarta, na ilha de Java. Chegada às 14h45. Assistência e transfere privativo para o Hotel Alila Jakarta 4* ou similar. Instalação. Tempo livre. Jantar e alojamento.
10º Dia – Jakarta / Banten / Jakarta
Pequeno almoço no Hotel. Dia inteiro de visita a Banten (a cerca de 1h30 de Jakarta), uma cidade com uma grande riqueza histórica com as ruínas do Palácio de Surosowan, o Palácio Kaibon, a Grande Mesquita de Banten, a Fortaleza de Speelwijk e o porto de Banten, o “hub” principal para os navios e outras embarcações que se dirigiam ao velho Banten. Teve o seu apogeu no Séc. XVI, quando Malacca estava ainda ocupada pelos Portugueses, que atraíam muitos comerciantes do médio oriente ao seu porto. Hoje em dia é só utilizado pelos pescadores locais. Almoço em restaurante local. Regresso ao Hotel em Jakarta. Jantar e alojamento.
11º Dia – Jakarta (The Old Batavia – Tugu) / Tenarte
Após o pequeno almoço, saída para visita ao porto de Sunda Kelapa, área portuária com 500 anos que foi um elo vital para os mercados do mundo exterior nos 15 séculos do Reino de Pajajaran. Desde então, este porto pertenceu aos Portugueses e depois tomado pelos Holandeses. Evocar-se-á a acção deste povo de corsários ávidos de lucro e de saque, que atacaram todas as possessões ultramarinas portuguesas, ganhando um vasto império com muito pouco trabalho. A magnífica e colorida escuna Makassar chamada Phinisi é ainda um importante meio de transporte de mercadorias para e da ilha exterior. Próximo do Museu Fatahillah – construído no Séc. XVI, encontra-se o velho povoado de Batavia. Após o almoço em restaurante local, visita ao povoado de Tugu, um bairro historicamente influenciado pela presença Portuguesa, no norte de Jakarta. Visita à Igreja de Tugu, Gereja Tugu, uma das mais antigas igrejas na Indonésia (Tugu Church), construída em 1752 aparentemente por escravos a trabalhar para a comunidade Portuguesa naquele período. Possibilidade de apreciar o Keroncong Tugu – uma das principais correntes musicais indonésias desenvolvidas no povoado de Tugu desde o Séc. XVII. Regresso ao Hotel para jantar e alojamento.
12º Dia – Ternate
Chegada às 07h25. Assistência pelo nosso Representante local e início da visita ao Palácio Ternate Sultan, à Mesquita de Ternate e ao Forte Kastela. A história comum a Portugal e às Molucas fez correr muita tinta e deu origem a muitos conflitos entre nações, descritos nas crónicas do tempo, evocadas durante a estadia. Almoço em restaurante local. Findo o mesmo, transporte para o Hotel Bella International 4* ou similar. Jantar e alojamento.
13º Dia – Ternate / Gamalama / Ternate
Pequeno almoço no Hotel. Às 08h00, início da viagem para explorar o Monte Gamalama, o Lago Tolire e a região de rocha vulcânica. Almoço em caminho de visita às Fortaleza de Kalamata, Tolukko e Oranje e à mais antiga árvore de cravo da índia. Regresso ao Hotel para jantar e alojamento.
14º Dia – Ternate / Tidore / Ternate
Após o pequeno almoço, embarque até à Ilha de Tidore para visita às terras altas de Gura Bunga. Continuação até ao Palácio do Sultão (almoço) e depois visita a Tahula e Tore – Fortaleza Espanhola. Após o almoço, regresso a Ternate passando pelo local dos pilares onde se hasteou pela primeira vez a bandeira vermelha e branca da independência em 17 de agosto de 1945, em Tidore. Jantar e alojamento no Hotel.
15º Dia – Ternate / Yogyakarta
Pequeno almoço no Hotel. Logo após, transporte privativo para o aeroporto de para embarque às 12h45, com destino a Yogyakarta (Via Makassar). Chegada às 18h05. Após as formalidades de desembarque, Transfere para o Hotel. Jantar e alojamento. Transporte até ao Hotel Yogyakarta Plaza 4* ou similar.  Jantar e alojamento.
16º Dia – Yogyakarta / Borobudur / Prambanan / Yogyakarta / Jakarta
Saída directa para visita até ao Templo de Borobudu – declarado Património da Humanidade pela UNESCO e o maior Templo Budista desta consagrada lista. A sua construção data do Séc. IX. Almoço em restaurante local. Prosseguimento a Prambanan, o maior templo hindu no sudoeste asiático localizado no reinado de Klaten, a 20 km da cidade de Yogyakarta. Este templo tem 47 metros de altura com 8 templos principais e 250 templos mais pequenos. Dia ideal para se falar de confluência de religiões e sincretismo religioso. Transporte até ao Hotel Yogyakarta Plaza 4* ou similar.  Jantar e alojamento.
17º Dia – Jakarta / Dubai / Lisboa
Pequeno almoço no Hotel. Transporte privativo para o aeroporto para embarque na nau voadora da Emirates, com destino ao Dubai.Desembarque em trânsito e prosseguimento da viagem numa cápsula do tempo da mesma companhia, com destino a Lisboa. Chegada ao aeroporto da Portela e regresso a casa, onde cada viajante poderá ordenar e registar as suas impressões da viagem, para memória futura.

Preço por Pessoa em Quarto Duplo
4.495 €
Suplemento Quarto Individual
540 €

Programa inclui:
  • Acompanhamento especializado de Deana Barroqueiro durante toda a viagem;
  • Acompanhamento de um responsável da Tryvel durante toda a viagem;
  • Passagem aérea em classe turística em voo regular Emirates, para percurso Lisboa / Dubai / Kuala Lumpur – Jakarta / Dubai / Lisboa, com direito ao transporte de 30 kg de bagagem;
  • Voos domésticos de Kuala Lumpur / Medan / Jakarta / Ternate /Yogyakarta / Jakarta;
  • 15 noites / 17 dias de alojamento nos hotéis indicados;
  • Refeições conforme programa num total de 12 almoços e 12 jantares e uma refeição fria à chegada a Kuala Lumpur (no 2ºdia);
  • Circuito em autocarro de turismo com guias acompanhantes em espanhol ou português durante todo o circuito mencionado no itinerário;
  • Taxas de aeroporto, segurança e combustível no montante de 334,20€ (à data de 17.02.2016 – a reconfirmar e atualizar na altura da emissão da documentação);
  • Entradas nos monumentos a visitar e mencionados no itinerário;
  • Gratificações;
  • Visto de entrada na Indonésia;
  • Todos os impostos aplicáveis;
  • Seguro multiviagens VIP.
Programa não inclui:
  • Bebidas às refeições;
  • Tudo o que não esteja como incluído de forma expressa;
  • Despesas de carácter particular designados como extras.
Nota: Consulte-nos para mais informações sobre partida do Porto.
Avenida Duque de Loulé, 72 | 3º
1050-091 Lisboa-Portugal
Telefone: +351 213 150 594
Contacto Emergência +351 936 007 033
Email: tryvel@nulltryvel.pt

Rua Augusto Luso 157
4050-073 Porto
Telefone: +351 223 213 680
Email: porto@nulltryvel.pt